Real Mosteiro de Guadalupe Património da Humanidade

700 anos de história

Reza a lenda que, no início do séc. XIV, nos vales de Las Villuercas, o pastor Gil Cordero procurava uma vaca perdida do seu rebanho e a encontrou morta. Quando estava a ponto de esquartejar o animal, este voltou à vida. Nesse instante, apareceu-lhe a Virgem, que lhe transmitiu o seu desejo de que anunciasse o prodígio e escavasse no mesmo local onde encontrara a sua vaca morta. Ali apareceu a imagem de Santa María de Guadalupe e rapidamente se espalhou a sua fama de milagreira.

O rei Afonso XI ouviu os relatos milagrosos que se contavam da Virgem e tornou-se devoto de Santa María de Guadalupe, encomendando-se à santa antes da famosa Batalha do Salado, do qual saiu vitorioso apesar da inferioridade numérica das suas tropas. Agradecido, fez uma peregrinação até Guadalupe e concedeu à sua humilde igreja privilégios e rendas que permitiram a construção do seu santuário.

A fama de Guadalupe espalhou-se com rapidez e rapidamente se transformou no centro devocional de todo o sul peninsular. Pouco depois chegaram os monges Jerónimos, que custodiaram o santuário desde 1389 até 1835, passando várias décadas sem a proteção de ordem religiosa alguma, até que, em 1908, os Franciscanos aceitaram ficar responsáveis pelo mosteiro.

A 12 de outubro de 1928, a Virgem de Guadalupe foi coroada canonicamente Rainha das Espanhas e, em 1907, foi nomeada padroeira da Extremadura.

Desde então, o mosteiro tornou-se na referência espiritual da Extremadura, que celebra a sua padroeira a cada 8 de setembro, o mesmo dia da festa da Comunidade Autónoma da Extremadura.

A fachada principal do mosteiro é mudéjar, tal como um dos seus dois claustros, sendo o segundo gótico. Guarda importantes iluminuras , bordados, relicários, obras pictóricas do artista estremenho Zurbarán, de El Greco e outros pintores, esculturas, ourivesaria e trabalho em bronze, um autêntico guarda-joias que encerra dentro de si vários museus: o de Bordados, o de Iluminuras e o de Pintura e Escultura.

A igreja é gótica, do séc. XV, o coro e o cadeiral são obras de Manuel de Larra Churriguera. A imagem da Virgem de Guadalupe data dos sécs. XII-XIII. Na sacristia guardam-se obras do célebre pintor Francisco Zurbarán.

O Real Mosteiro foi declarada Monumento Nacional em 1879 e, posteriormente, em 1993, Património da Humanidade pela UNESCO.

Tempo

Guadalupe

19Aug

Despejado

17 ºC

34 ºC

20Aug

Despejado

20 ºC

37 ºC

21Aug

Despejado

20 ºC

37 ºC

22Aug

Despejado

20 ºC

37 ºC

23Aug

Despejado

21 ºC

37 ºC

24Aug

Nuboso

19 ºC

37 ºC

Em imagens

AltAltAltAltAltAltAltAltAlt

Se você gosta Real Mosteiro de Guadalupe Património da Humanidade você também vai gostar...

Alt

Ponte romana de Alcántara

A ponte de Alcántara, de origem romana, foi construída entre os anos 104 e 106 e declarada, em 1924, Bem de Interesse Cultural, com categoria de Monumento.

Alt

Conjunto Histórico de Pasarón de La Vera

Pasarón de La Vera é um município de Cáceres no extremo ocidental do distrito de La Vera.

Alt

Conjunto Histórico de Brozas

A localidade de Brozas situa-se no distrito Tajo-Salor-Almonte, nas chamadas Tierras de Alcántara. 

Alt

Ruínas romanas de Augustóbriga

Em Bohonal, a noroeste da província de Cáceres, encontram-se as ruínas da antiga cidade romana de Augustóbriga, no enclave abaixo da localidade de Talavera la Vieja. 

Mais coisas que você pode encontrar em Villuercas Ibores Jara

Alt

Conjunto Histórico de Guadalupe

Guadalupe é conhecido pelo seu famoso mosteiro, mas o município alberga outros marcos arquitetónicos, urbanísticos e culturais que o tornaram vencedor do título de Monumento Histórico-Artístico,...

Servicios turisticos

No Instagram...